Fez esta semana um ano que ingressei na equipa ASICS Frontrunner Portugal.

Foi um privilégio ter sido selecionado entre centenas de candidatos.

A expectativa era grande, mas, infelizmente entrámos num ano de 2020 que se tornou difícil o que se tornou transversal a todos.

Sem perspetiva de objetivos a curto e médio prazo, a pandemia trouxe muitas incertezas e demasiadas restrições, e isso foi o menos positivo em todo o projeto Frontrunner 2020.

Mas até nestas circunstâncias fomos capazes de tornar esse ano super ativo e muito interessante.

Na altura a nossa apresentação ia ser feita na bela cidade de Barcelona e ao mesmo tempo íamos participar na maratona de estrada, o que no meu caso seria a estreia em maratonas de estrada.

Contudo, foi adiada para o final do ano de 2020 e posteriormente para outra data a anunciar.

Mas afinal o que mudou com a minha entrada na equipa?
Na verdade pouco ou quase nada, mantenho a minha rotina desportiva, faço tudo o que já fazia antes, treino da mesma forma, não mudei volumes nem intensidades, mantenho-me no trail. Se já era ativo nas redes sociais, talvez tenha ficado um pouco mais porque a parceria assim o exige e também é algo que me dá prazer fazer.

É um privilégio ter equipamento de grande qualidade, ter as novidades da marca mas sinceramente, não é isso que me motiva. Adoro, e quem me conhece sabe que sou assim, gosto de motivar aqueles que não praticam regularmente atividade física, quando sei que alguém o fez por minha causa fico mesmo muito feliz.

Durante o ano 2020 tentámos em equipa da melhor maneira incentivar que as pessoas em nosso redor abraçassem a filosofia a “Sound Mind in a Sound Body” que se adequa perfeitamente na minha forma de estar no desporto, mais especificamente na corrida e assim posso dizer que me identifico por completo com todos os valores que a marca representa e transmite.

Partilhamos a nossa experiência, tentamos inspirar a praticar exercício físico, e uma vida pode mudar pequenos passos que se tornam gigantes.

O ano 2020 limitou muito tudo o que estava idealizado: as atividades, os eventos, os treinos, conhecer os outros elementos da equipa, o que fez com que tivéssemos de ter muita criatividade para motivar todos os que nos seguem.

2021 será um ano, quanto a mim, ainda mais exigente, mas nós Frontrunners nunca iremos deitar a toalha ao chão.

Fiquem connosco!

Mantenham-se ligados!

escrito por
portrait

Nuno Rocha

Terapeuta / Massagista de Lisboa

Faixa Etária: 40-45

Treinador: Tiago Aragão

Minhas modalidade
Ultra Maratona de Montanha Yoga / Pilates Ultra Maratona Corrida de Montanha 10km

Mais blogues